O Santo do Dia - São João Baptista (24 de Junho)

(ver anterior, dia 20)


São João Baptista
(24 de Junho)


S. João Baptista (Joséfa de Óbidos)

(festa de 1º classe - paramentos brancos)
 
Celebrando o nascimento de S. João Baptista, a Igreja festeja a aurora da Redenção; seis meses antes do Natal, o nascimento do Precursor anuncia o mistério da Incarnação e participa da sua grandeza. Na Idade Média era considerado como que uma espécie de Natal de verão, com três Missas como o Natal; a liturgia realça a afinidade das duas festas: basta ler a secreta e a póscomunhão, bem como a antífona do Magnificat das 2ª vésperas.

"Profeta do Altíssimo", S. João Baptista é figurado por Isaías e Jeremias. Como eles e melhor do que eles, foi santificado desde o ventre de sua mãe, em virtude da missão que o esperava (intróito, epístola, gradual). O Evangelho recorda os prodígios que assinalaram o seu nascimento: este devia ser a causa de grande alegria para muitos: ainda hoje o é, e a Igreja convida todos os anos os fiéis a pedir a Deus, com a graça das alegrias sobrenaturais, a de sermos sempre guiados pelo caminho da eterna salvação (colecta).

O nome de S. João Baptista vem no Cânon da Missa, à cabeça da segunda lista.

(continuação, dia 26)

O Santo do Dia - São Luís Gonzaga (21 de Junho)

(ver anterior, dia 20)

São Luís Gonzaga
(21 de Junho)
Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


"Fizeste-lo, Senhor, pouco menor que os anjos" (intróito): elogio magnífico da admirável, inocência e a da vida angélica de S. Luís Gonzaga. Tudo nele respira pureza. Baptizado logo ao nascer, por correr perigo de vida, fez voto de virgindade aos nove anos. Aos dezasseis entrou na Companhia de Jesus em Roma, e morreu aos vinte e três anos em 1591 vítima da sua caridade junto dos empestados. Bento XIII proclamou S. Luís Patrono e modelo dos jovens.

(continuação, dia 22)

O Santo do Dia - São Gregório Barbarigo (17 de Junho)

(ver anterior, dia 15)

São Gregório Barbarigo
(17 de Junho)
Bispo e Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)
 

Nascido em Veneza em 1625, da célebre família Barbarigo, veio a dedicar-se à carreira diplomática. Quando esta lhe acenava com os louros, abraçou o estado eclesiástico. Criado Cardeal, ocupou as sedes episcopais de Bérgamo e Pádua; numa e noutra dedicou-se de alma e coração a pôr em prática as determinações do Concílio de Trento. Morreu em 1697. Foi declarado Bem-aventurado por Clemente XIII em 1761 e João XIII inscreveu-o no catálogo dos Santos em 1960. 

(continuação, dia 18)

O Santo do Dia - São Vito, São Modesto e Santa Crescência (15 de Junho)

(ver anterior, dia 14)

São Vito, São Modesto e Santa Crescência
(15 de Junho)
Mártires
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)

De S. Guido, ou S. Vito, que veio tornar.se um santo muito popular, sabe-se apenas que foi martirizado em Lucânia, na Itália do Sul. As suas relíquias foram transportadas para Alemanha, donde o seu culto se espalhou por todo o Ocidente. Invoca-se contra a epilepsia, chamada "dança de S. Guido". Os informes sobre S. Modesto e Sta. Crescência, sempre festejados juntamente com S. Vito são ainda menores.

(continuação, dia 17)

O Santo do Dia - São Basílio Magno (14 de Junho)

(ver anterior, dia 13)

São Basílio Magno
(14 de Junho)
Bispo, Confessor e Doutor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)

S. Basílio nasceu em Cesareia de Capadócia duma família muito cristã. Após os seus estudos em Constantinopla e Atenas, abraçou a vida monástica na província do Ponto. Escreveu as famosas "Regras" que trazem o seu nome; louvadas por S. Bento, ainda observadas em nossos dias pelos monges do Oriente.
Elevado à cadeira episcopal de Cesareia, esforçou-se por alimentar o seu rebanho com uma doutrina sólida e pura para o imunizar contra os perigos da heresia ariana, que, depois de negar a divindade de Cristo, acabava de rejeitar a divindade do Espírito Santo. S. Basílio escreveu sobre o Espírito Santo um tratado, que é contado entre as mais belas obras de Teologia.
Com seu irmão S. Gregório de Nissa, e seu amigo S. Gregório de Nazianzo, contribuiu muito para a conservação da Fé tradicional na Igreja do Oriente. Morreu em 379, dois anos antes do segundo Concílio ecuménico de Constantinopla, que devia consagrar o triunfo da ortodoxia. A Igreja Oriental venera-o como um dos seus quatro grandes Doutores.

(continuação, dia 15)

Sto. ANTÓNIO DE LISBOA AOS PEIXES

 
"Foi no dia de Santo António de 1654 que o Padre António Vieira pregou o famoso Sermão de Santo António aos Peixes.
Para recordar, partilhamos um excerto convosco:

«Mas a coisa que me escandaliza, peixes, de vós, é que vos comeis uns aos outros. Grande escândalo é este, mas a circunstância o faz ainda maior. Não só vos comeis uns aos outros, senão que os grandes comem os pequenos. Se for pelo contrário, era menos mal. Se os pequenos comeram os grandes, batara um grande para muitos pequenos; mas como os grandes comem os pequenos, não bastam cem pequenos, nem mil, para um só grande. (...) Considerai, peixes, que também os homens se comem vivos como vós.»

Na imagem, Santo António Pregando aos Peixes, pintado por Vieira Lusitano e pertencente à Capela de Santo António da Igreja de São Roque [Lisboa]." (Museu de São Roque - Lisboa)

O Santo do Dia - Santo António (13 de Junho)

(ver anterior, dia 12)

Santo António de Lisboa (Pádua)
(13 de Junho)
Confessor e Doutor
Padroeiro Equi-Principal de Portugal

 
(festa de 1ª classe - paramentos brancos)

Sto. António nasceu em Lisboa a 15 de Agosto de 1195, e recebeu no Baptismo o nome de Fernando. De 15 anos, entrou no mosteiro de Cónegos Regrantes, passando depois para a Ordem dos Frades Menores, onde não tardou a fazer-se conhecido como insigne e mui letrado nas ciências eclesiásticas, em especial na Escritura, de que foi mestre em Bolonha e Pádua. Morreu em 1231. Os seus numerosos milagres apressaram singularmente o processo da sua canonização. Foi inscrito no catálogo dos Santos por Gregório IX em 1232, e teve festa litúrgica em Pádua no primeiro aniversário da sua morte. Pio XII declarou-o Doutor da Igreja em 1944.

(continuação, dia 14)