O Santo do Dia - São João Baptista (24 de Junho)

(ver anterior, dia 20)


São João Baptista
(24 de Junho)


S. João Baptista (Joséfa de Óbidos)

(festa de 1º classe - paramentos brancos)
 
Celebrando o nascimento de S. João Baptista, a Igreja festeja a aurora da Redenção; seis meses antes do Natal, o nascimento do Precursor anuncia o mistério da Incarnação e participa da sua grandeza. Na Idade Média era considerado como que uma espécie de Natal de verão, com três Missas como o Natal; a liturgia realça a afinidade das duas festas: basta ler a secreta e a póscomunhão, bem como a antífona do Magnificat das 2ª vésperas.

"Profeta do Altíssimo", S. João Baptista é figurado por Isaías e Jeremias. Como eles e melhor do que eles, foi santificado desde o ventre de sua mãe, em virtude da missão que o esperava (intróito, epístola, gradual). O Evangelho recorda os prodígios que assinalaram o seu nascimento: este devia ser a causa de grande alegria para muitos: ainda hoje o é, e a Igreja convida todos os anos os fiéis a pedir a Deus, com a graça das alegrias sobrenaturais, a de sermos sempre guiados pelo caminho da eterna salvação (colecta).

O nome de S. João Baptista vem no Cânon da Missa, à cabeça da segunda lista.

(continuação, dia 26)

O Santo do Dia - São Luís Gonzaga (21 de Junho)

(ver anterior, dia 20)

São Luís Gonzaga
(21 de Junho)
Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


"Fizeste-lo, Senhor, pouco menor que os anjos" (intróito): elogio magnífico da admirável, inocência e a da vida angélica de S. Luís Gonzaga. Tudo nele respira pureza. Baptizado logo ao nascer, por correr perigo de vida, fez voto de virgindade aos nove anos. Aos dezasseis entrou na Companhia de Jesus em Roma, e morreu aos vinte e três anos em 1591 vítima da sua caridade junto dos empestados. Bento XIII proclamou S. Luís Patrono e modelo dos jovens.

(continuação, dia 22)

O Santo do Dia - São Gregório Barbarigo (17 de Junho)

(ver anterior, dia 15)

São Gregório Barbarigo
(17 de Junho)
Bispo e Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)
 

Nascido em Veneza em 1625, da célebre família Barbarigo, veio a dedicar-se à carreira diplomática. Quando esta lhe acenava com os louros, abraçou o estado eclesiástico. Criado Cardeal, ocupou as sedes episcopais de Bérgamo e Pádua; numa e noutra dedicou-se de alma e coração a pôr em prática as determinações do Concílio de Trento. Morreu em 1697. Foi declarado Bem-aventurado por Clemente XIII em 1761 e João XIII inscreveu-o no catálogo dos Santos em 1960. 

(continuação, dia 18)

O Santo do Dia - São Vito, São Modesto e Santa Crescência (15 de Junho)

(ver anterior, dia 14)

São Vito, São Modesto e Santa Crescência
(15 de Junho)
Mártires
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)

De S. Guido, ou S. Vito, que veio tornar.se um santo muito popular, sabe-se apenas que foi martirizado em Lucânia, na Itália do Sul. As suas relíquias foram transportadas para Alemanha, donde o seu culto se espalhou por todo o Ocidente. Invoca-se contra a epilepsia, chamada "dança de S. Guido". Os informes sobre S. Modesto e Sta. Crescência, sempre festejados juntamente com S. Vito são ainda menores.

(continuação, dia 17)

O Santo do Dia - São Basílio Magno (14 de Junho)

(ver anterior, dia 13)

São Basílio Magno
(14 de Junho)
Bispo, Confessor e Doutor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)

S. Basílio nasceu em Cesareia de Capadócia duma família muito cristã. Após os seus estudos em Constantinopla e Atenas, abraçou a vida monástica na província do Ponto. Escreveu as famosas "Regras" que trazem o seu nome; louvadas por S. Bento, ainda observadas em nossos dias pelos monges do Oriente.
Elevado à cadeira episcopal de Cesareia, esforçou-se por alimentar o seu rebanho com uma doutrina sólida e pura para o imunizar contra os perigos da heresia ariana, que, depois de negar a divindade de Cristo, acabava de rejeitar a divindade do Espírito Santo. S. Basílio escreveu sobre o Espírito Santo um tratado, que é contado entre as mais belas obras de Teologia.
Com seu irmão S. Gregório de Nissa, e seu amigo S. Gregório de Nazianzo, contribuiu muito para a conservação da Fé tradicional na Igreja do Oriente. Morreu em 379, dois anos antes do segundo Concílio ecuménico de Constantinopla, que devia consagrar o triunfo da ortodoxia. A Igreja Oriental venera-o como um dos seus quatro grandes Doutores.

(continuação, dia 15)

Sto. ANTÓNIO DE LISBOA AOS PEIXES

 
"Foi no dia de Santo António de 1654 que o Padre António Vieira pregou o famoso Sermão de Santo António aos Peixes.
Para recordar, partilhamos um excerto convosco:

«Mas a coisa que me escandaliza, peixes, de vós, é que vos comeis uns aos outros. Grande escândalo é este, mas a circunstância o faz ainda maior. Não só vos comeis uns aos outros, senão que os grandes comem os pequenos. Se for pelo contrário, era menos mal. Se os pequenos comeram os grandes, batara um grande para muitos pequenos; mas como os grandes comem os pequenos, não bastam cem pequenos, nem mil, para um só grande. (...) Considerai, peixes, que também os homens se comem vivos como vós.»

Na imagem, Santo António Pregando aos Peixes, pintado por Vieira Lusitano e pertencente à Capela de Santo António da Igreja de São Roque [Lisboa]." (Museu de São Roque - Lisboa)

O Santo do Dia - Santo António (13 de Junho)

(ver anterior, dia 12)

Santo António de Lisboa (Pádua)
(13 de Junho)
Confessor e Doutor
Padroeiro Equi-Principal de Portugal

 
(festa de 1ª classe - paramentos brancos)

Sto. António nasceu em Lisboa a 15 de Agosto de 1195, e recebeu no Baptismo o nome de Fernando. De 15 anos, entrou no mosteiro de Cónegos Regrantes, passando depois para a Ordem dos Frades Menores, onde não tardou a fazer-se conhecido como insigne e mui letrado nas ciências eclesiásticas, em especial na Escritura, de que foi mestre em Bolonha e Pádua. Morreu em 1231. Os seus numerosos milagres apressaram singularmente o processo da sua canonização. Foi inscrito no catálogo dos Santos por Gregório IX em 1232, e teve festa litúrgica em Pádua no primeiro aniversário da sua morte. Pio XII declarou-o Doutor da Igreja em 1944.

(continuação, dia 14)

O "Pai dos Jesuítas" - D. JOÃO III


"Foi neste dia, 11 de junho de 1557, que faleceu D. João III, Rei de Portugal.
Filho de D. Manuel I, subido ao trono em 1521, com a morte do pai, para um reinado que se revelou fundamental para a história da Casa-Professa de São Roque: foi com D. João III que a Companhia de Jesus se instalou em Portugal e foi o mesmo rei que, em 1553, ordenou a entrega da Ermida de São Roque aos Jesuítas, que a substituíram pelo atual complexo. As obras arrancaram dois anos depois, para a construção de uma igreja de três naves, de acordo com a vontade do rei. No entanto, alguns anos mais tarde, já após a sua morte, optou-se pela atual estrutura de nave única, cujos planos foram enviados de Roma para o efeito.
Na imagem, o retrato de D. João III, atribuído a Cristóvão Lopes e pintado à volta de 1550-60 segundo o modelo de António Moro, patente em exposição permanente no MSR." (by Museu de S. Roque)

Conta-se que Sto. Inácio de Loyola, com algum humor, dizia que o pai dos Jesuítas era D. João III, porque foi este rei quem promoveu a Ordem desde a sua primeira hora, e fortemente.

O Santo do dia - São Barnabé (11 de Junho)

(ver anterior, dia 10)

São Barnabé
(11 de Junho)
Apóstolo
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)


Escolhido pelo Espírito Santo para partilhar da tarefa e da missão dos doze Apóstolos (epístola), Barnabé é venerado pela Igreja como um deles. Desempenhou papel importante na primeira expansão do cristianismo fora do mundo judaicos. Quando, ao sair do seu longo retiro na Arábia, S. Paulo veio a Jerusalém, três anos depois da conversão, para submeter à aprovação de Pedro a missão de que o próprio Mestre o tinha incumbido junto dos pagãos, foi Barnabé quem o apresentou aos Apóstolos, pouco confiantes ainda no pregador de ontem. Seguiu depois de S. Paulo, acompanhando-o na sua primeira viagem missionária. Voltou com ele a Jerusalém, e ao partir para uma segunda viagem, Barnabé separou-se, dirigindo-se a Chipre. O seu nome está inscrito no Cânon da Missa.


(continuação, dia 12)

O Santo do Dia - Santo Anjo Custódio de Portugal (10 de Junho)

(ver anterior, dia 9)

Santo Anjo Custódio de Portugal 
(10 de Junho)



(festa de 3ª classe - paramentos brancos)

«Hoje a festa pagã de "Portugal, Camões e Comunidades Portuguesas" apagou quase por completo a verdadeira festa "Santo Anjo Custódio de Portugal". Consequentemente, quem comemora aquela sem comemorar esta é PAGÃO, ou porta-se como tal. Assim me parece. Mas certamente muitos portugueses nunca se deram conta deste fenómeno.

Tal como as pessoas, as nações têm um anjo da guarda. O caso de Portugal é nisso bastante especial pois não há outro país que tenha culto público oficial ao seu Santo Anjo. Também é o único país a quem o seu Anjo Custódio apareceu como tal (em Fátima, aos três pastorinhos). E digo assim porque, evidentemente, S. Miguel Arcanjo apareceu não como Custódio de Portugal. E dou como exemplo a aparição que fez em 1750, aqui em Portugal também, à Irmã Antónia d'Astonaco (carmelita) a quem deu a devoção da Coroa Angélica, que vai ser aqui difundida (aprovação da devoção e reconhecimento da aparição feito pelos Papa Pio IX a 8 de agosto de 1851):

“O glorioso Arcanjo prometeu que quem o honrasse desta maneira antes da Sagrada Comunhão seria acompanhado à Sagrada Mesa [a “mesa” , ou “comungatório” é aquilo que hoje ainda restam em algumas igrejas que por ignorância costuma ser agora chamada de “grades” e que se situa uns depois do altar-retábulo e antes dos fiéis] por um Anjo de cada um dos nove coros. Prometeu também a quem rezasse todos os dias essas nove saudações a sua assistência e a dos Santos Anjos durante a vida, e que depois da morte os livraria do Purgatório a eles e aos seus parentes.” (Com autorização da Autoridade Eclesiástica – Lisboa)

A devoção e culto ao S. Miguel Arcanjo como Custódio do Reino de Portugal é tão antigo quanto o próprio Reino. O seu culto propagou-se para e com a recuperação dos territórios cristãos lusitanos sob patrocínio régio:

"S. Miguel Arcanjo. Foi sempre conhecido dos Portugueses por Anjo Custódio deste Reino, depois que o invicto Rei D. Afonso Henriques venceu com seu patrocínio a Albaraque nos campos de Santarem; e por isso lhe erigiu copiosas Capelas, assim na Igreja de Alcáçova da dita Vila, como nos Mosteiros de Danta Cruz de Coimbra, e Santa Maria de Alcobaça, onde seuas santas Imagens são veneradas, e milagrosas." (Agiológio Lusitano. Tomo III pag. 126)

“No ano de 1329, em que reinava D. Afonso IV, era Abade deste Mosteiro Paio da Vaia, e confessa dever de cento e dois jantares cada ano a D. Rodrigo Bispo de Tuy. Haverá cento e tantos que foi daqui Abade Diogo Anes Aranha, instituidor da Capela do Outeiro, de que falámos na Freguesia de Pacó. Deviam já ter suas anexas esta Freguesia, e as de S. João da Parada, e S. Lourenço do Cabrão, em que o Reitor apresenta Vigário, e dois dízimos, e outros fóros se fez a Comenda de Cristo, que tende trezentos mil reis. Tem esta Freguesia 120 vizinhos com um Reitor, que apresenta o Ordinário, e há nela uma Capela de S. Miguel o Anjo, Ermida antiga, que no tempo da Rainha D. Teresa se chamava S. Miguel de Veiga, e nela eram obrigados os Bispos de Tuy a cantar cada ano uma Missa por sua Alma, e pelos Reis seus sucessores. A esta Ermida vai a Camara dos Arcos no terceiro Domingo de Jullho, em que se festeja o Anjo Custódio, acompanhando o seu Mordomo, que sempre é mancebo nobre, e solteiro; dizem Missa; voltam a ensaiar os cavalos a Requeijó, onde lhes dão um refresco de doces. Chegam ao terreiro da Vila, ali correm suas parelhas, lançam canas, e fazem uma escaramuça dobrada, com perfeição grande. A Rainha D. Teresa, quando deu à Sé de Tuy este Mosteiro, deu-lhe mais a Igreja de S. Miguel de Aurega na ribeira do Lima, que devia então ser Paroquia.” (Corografia Portugueza e Descripçam Topográfica do Famoso Reino de Portugal. LISBOA, ano 1706. pag. 228.)

D. Manuel com os Bispos do Reino solicitaram ao Papa Leão X a oficialização desta devoção já muito alastrada, ao que o Papa acedeu em 1504 com a instituição da Festa do Anjo Custódio do Reino de Portugal. O Rei determinou depois que em todas as igrejas esta festa fosse solenizada com grande devoção e maior solenidade: e que toda a sociedade estivesse realmente presente, desde os homens de maior responsabilidade até ao mais pequeno súbdito.


O culto tributado a S. Miguel Custódio de Portugal desde sempre teve um impacto forte nos lusitanos. Veja-se nas origens do Reino o significativo encontro desta devoção com aquele motivo de baptismo "Terras de Santa Maria":

“Com a muita concorrência de Romeiros, e devotos que vinham visitar a sagrada Imagem da Virgem Santa Maria, edificaram-se junto do seu Mosteiro algumas casas, que assim como podiam ser para acolhimento e agasalho dos que vinham a visitar esta Senhora, também podiam ser para morada de alguns seus devotos; e com elas foram fundadas contiguas umas com outras, lhe puseram o nome de Burgo, e a seus moradores o de Burgueses.Este foi o primeiro fundamento da nova Vila de Guimarães, e este o seu princípio, que foi muitos anos depois da Vila Velha, como tenho mostrado pelos Autores citados, e o reforça, e verifica esta verdade; que antes da Vila Velha experimentar suas ultimas ruinas, tinha jurisdição dividida da Nossa, e ambas eram governadas por diferentes Ministros; tanto assim, que ainda hoje numa Procissão, que costuma fazer todos os anos a Camara ao Anjo Custódio na terceira Dominga de Junho, que sai da igreja colegiada com o seu Cabido, e mais Clérigos da serventia dela, vão os Vereadores com suas varas em corpo de Camara acompanhados de seu Procurado, Misteres, e Escrivão, e os Ministros da Justiça, Corregedor, Provedor, e Juiz de fora, e entram na Vila Velha, e na sua Igreja de São Miguel reza o Cabido certas orações; e quando está Procissão sai da Colegiada, leva o Juiz de fora um pendão de cor vermelha, e nele um painel do Santo Anjo, e chegando ao distrito da Vila Velha, o entrega ao Vereador mais velho, em razão deste não poder entrar com vara alçada onde não tinha jurisdição; e de presente se está observando este estilo. “ (Corografia Portugueza e Descripçam Topográfica do Famoso Reino de Portugal. LISBOA, ano 1706. pag. 7)

Apenas para reforçar esta última parte, na qual podemos ver que ser português implica ser cristão, olhemos agora um exemplo numa capela de S. Miguel Arcanjo Custódio de Portugal. Observe-se também como se nota toda uma estrutura bem articulada e de muitas matizes da sociedade católica:

“O Mestre da Capela serve a Capela do Anjo Custódio [no Hospital de Todos os Santos, em Lisboa], tem de obrigação Missa quotidiana por El-Rei D. Manuel, tem de ordenado sessenta e dois mil réis, a saber de Capelão quarenta, e dois para sobrepliz, dezasseis de mestre, quatro mil réis, e um moio de trigo para um tiple, e não o tendo não o haverá, tem mais um algueire de grão para a quaresma, um quarto de carneiro por dia de todos os Santos, outro pela Pascoa, e pelo Natal entra com os outros Capelões na repartição de um porco, tem mais cada sábado noventa réis para a barba.” (Livro das Grandezas de Lisboa; ano 1620. Lisboa. pag. 127)

A data da festividade nem sempre foi a mesma. É posterior a data fixa de 10 de Junho, sendo que antes calhava no terceiro Domingo de Julho ou Junho (o terceiro Domingo de Junho prevaleceu). Com o liberalismo, o séc. XIX viu cair esta fervorosa e esplendorosa festividade que sofreu ainda mais com o assalto dos republicanos ao Reino. Assim nos temos mantido com um 10 de Junho do "não sei quê", onde se enfiam por todo o lado as tolices da democracia e da república... bandeirinhas de papel pintado de verde e vermelho, criancinhas levadas a ver a parada dos militares da saudade dos tempos à séria.


Termino lembrando que, em Lisboa, o Corpus Christi tinha a procissão de tal grandeza como a Europa nunca vira, e que a do Santo Anjo Custódio de Portugal, por benefício Papal, equiparou-se-lhe.


Santo Anjo Custódio de Portugal, defendei-nos da Res Pública, defendei os portugueses republicanizados a acordarem do sono em que dormem. Libertai Portugal.»


(continuação, dia 11)

O Santo do Dia - São Norberto (6 de Junho)

(ver anterior, dia 5)

São Norberto
(6 de Junho)
Bispo e Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


S. Norberto nasceu em Xanten, perto de Colónia, cerca do ano 1085. Jovem clérigo, viveu no Palácio do Arcebispo de Colónia, e depois na Côrte do Imperador, deixando-se seduzir pelo espírito mundano. Mas a Graça conquistou-o. Surpreendido por uma tempestade no decurso duma viagem a cavalo, resolveu tomar a sério a sua vida de clérigo. Foi ordenado Presbítero e dedicou-se à pregação ambulante. Em 1120, cedendo às instâncias do Bispo de Laon, fixou-se na floresta de Voix, perto de Soissons, num lugar chamado Premontré, fundando aí uma comunidade de clérigos regulares, os Premonstratenses. Em 1126, foi enviado aos postos avançados da Cristandade e nomeado Arcebispo de Madeburgo. Morreu em 1134.


(continuação, dia 9)

O Santo do Dia - S. Bonifácio (5 de Junho)

(ver anterior, dia 4)

São Bonifácio
(5 de Junho)
Bispo e Mártir
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)


S. Bonifácio, monge de Exeter na Inglaterra, é uma das grandes figuras da Ordem de S. Bento, e do apostolado monástico na Idade Média. Enviado por Gregório II à Alemanha, evangelizou o Hesse, a Saxónia e a Turíngia, vindo a ser Bispo de Mogúncia. Foi o Apóstolo da Germânia, e ainda hoje a Alemanha Católica o venera como Pai da sua Fé. Foi massacrado pelos Frisões, em Dokkum, a 5 de Junho de 754. A célebre abadia de Fulda, onde repousa o seu corpo, tornou-se o santuário nacional da Alemanha católica.

(continuação, dia 6)

O Santo do Dia - São Francisco Caracciolo (4 de Junho)

(ver anterior, dia 2)

São Francisco Caracciolo
(4 de Junho)
Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


Curiosa a vocação deste nobre napolitano, que havia de tornar-se um grande santo: uma carta, que lhe foi dirigida por engano, pô-lo ao corrente dum projecto de fundação duma nova Congregação de clérigos menores regulares. Resolveu colaborar na fundação,e foi de facto o verdadeiro fundador. Os primeiros religiosos fizeram a sua profissão em Nápoles em 1589, e Mago Caracciolo, como então se chamava, tomou o nome de Francisco. A sua vida, consagrada à oração e penitência, foi toda penetrada de um ardente amor de Deus. Morreu em Roma em 1608 com a idade de 44 anos. Os textos da Missa recordam a alma ardente do santo.

(continuação, dia 5)

O Santo do Dia - São Marcelino, São Pedro e Santo Erasmo (2 de Junho)


(ver anterior, dia 1)

São Marcelino e São Pedro
(2 de Junho)
Mártires

Santo Erasmo
Bispo e Mártir
(comemoração - paramentos vermelhos)


Pedro e Marcelino são dois mártires romanos que sofreram o martírio durante a perseguição de Diocleciano, cerca do ano 303. O primeiro era presbítero e o segundo exorcista. O seu culto era tão importante , que depois de dar a paz à Igreja, Constantino mandou construir em sua honra uma basílica, como em honra de S. Pedro, S. Paulo, S. Lourenço e Sta. Inês. Os seus nomes vêm no Cânon da Missa.

Sto. Erasmo é um Bispo da Ásia Menor, que pela mesma época morreu mártir na Campânia. O seu corpo foi transladado para Gaeta no ano de 842. É geralmente representando com um sarilho, em que estão enrolados os seus intestinos.

(continuação, dia 3)

ARQUITECTOS DA CULTURA DA MORTE - Charles Darwin

(anterior, Ayn Rand)

I




II



(a continuar)

O Santo do Dia - Santa Ângela Merici (1 de Junho)

(ver anterior, dia 31 de Maio)

Santa Ângela Merici
(1 de Junho)
Virgem
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


Sta. Ângela Merici, nascida em Desenzano, junto ao lago de Garda, na Itália do Norte, recebeu uma firma educação cristã, a que soube da o devido valor. "As desordens da sociedade, dizia ela, têm origem nas da família: há muito poucas mães verdadeiramente cristãs." Para remediar este mal fundou a Congregação das Ursulinas, para a educação cristã das raparigas. Sta. Ângela morreu em Bréscia a 24 de Janeiro de 1540.

(continuação, dia 2)

O Santo do Dia - Festa de Maria Rainha (31 de Maio)

(ver anterior, dia 29)

Maria Rainha
(31 de Maio)


(festa de 2ª classe - paramentos Brancos)

O povo cristão, com sua segura intuição, reconheceu sempre a dignidade Real da mãe do "Rei dos Reis e Senhor dos Senhores". Os Santos Padres, Doutores e Papas foram os intérpretes autorizados desta tradição; e o triunfal testemunho desta crença comum resplandece na arte e na penetrante catequese da liturgia. Por sua vez, os teólogos mostraram com suecesso quanto o título Real convinha à Mãe de Deus, intimamente associada à obra redentora de seu Filho, e mediadora de todas as graças.

Respondendo ao voto unânime dos fiéis e pastores, S. S. Pio XII institui, pela encíclica de 11 de Outubro de 1954, a festa de Maria Rainha, sancionando assim o culto que já todos os cristãos prestavam, no seu coração, à soberana do Céu e da Terra.
A epístola põe em relevo o reino da Sabedoria, cujos privilégios a Liturgia aplica a Maria. O Evangelho anuncia o Reino de Cristo, fonte e origem do de Sua Mãe.



No mesmo dia:

Santa Petronila
(31 de Maio)
Virgem
(comemoração - paramentos brancos)

Sta. Petronila é uma santa romana, enterrada no cemitério de Domitila. A lenda faz dela filha espiritual de S. Pedro, o que lhe valeu um culto muito intenso, que, na França, vem desde o tempo dos Reis Carolíngios, muito devotos da Santa Sé. O culto de Sta. Petronila foi, durante séculos, uma das tradições da Casa de França.






(continuação, dia 1 de Junho)

O Santo do Dia - São Félix I (30 de Maio)

(ver anterior, dia 29)

São Félix I
(29 de Maio)
Papa e Mártir
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)


S. Félix I, que governou a Igreja de 268 a 273, parece ter sido confundido com o mártir S. Félix, vítima de perseguição de Aureliano. O Papa S. Félix foi enterrado na "cripta dos Papas", nas catacumbas de S. Calisto.

(continuação, dia 31)

O Santo do dia - Santa Maria Madalena de Pazzi (29 de Maio)

(ver anterior, dia 28)

Santa Maria Madalena de Pazzi
(29 de Maio)
Virgem
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


Sta. Maria Madalena, filha de uma grande família de Florença, os Pazzi, entrou para o Carmelo aos 15 anos. Entregou-se durante toda a vida a terríveis penitências; tinha por divisa "sofrer e não morrer". Morreu a 25 de Maio de 1607, aos 41 anos. Seu corpo, que ela tinha mortificado tanto, conservou-se até nossas dias sem corrupção.

(continuação, dia 30)

O Santo do Dia - Santo Agostinho de Cantuária (28 de Maio)

(ver anterior, dia 27)

Santo Agostinho de Cantuária
(28 de Maio)
Bispo e Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


Sto. Agostinho, monge do mosteiro de Sto. André do monte Célio, em Roma, foi mandado para a Grã-Bretanha por S. Gregório, para evangelizar os Anglo-Saxões. Hoje sabe-se que foi por expresso pedido dos Reis ingleses que se iniciou esta missão; aqueles soberanos queriam que os seus súbditos participassem na velha Civilização Romana. Sto. Agostinho, com quarenta confrades, teve a felicidade de converter Etelberto, Rei do Kent, cuja mulher era cristã; baptizou-se no dia de Pentecostes de 597 com muitos dos seus vassalos. No mesmo ano foi consagrado Bispo, e em 601 o Papa enviou-lhe o Pálio com a dignidade de Primado da Inglaterra. Sto. Agostinho morreu a 26 de Maio de 604 ou 605.


(continuação, dia 21)

O Santo do dia - São Beda (27 de Maio)

(ver anterior, dia 26)


São Beda, o Venerável
Confessor e Doutor
(festa de 3ª classe - paramentos Brancos)

Benda, nascido em Yarrow, na Inglaterra, foi confiado desde tenra idade a Bento Biscop, Abade do mosteiro beneditino de Wearmouth. Tornando-se também monge, "o mais observante e o mais feliz de todos os monges", foi ao mesmo tempo um dos mais sábios homens da Igreja em seu século. Comentou abundantemente a Sagrada Escritura em sermões e homilias que o breviário usa frequentemente. Morreu em Yarrow no dia 25 de maio de 735. Leão XIII colocou-o entre os doutores. 







No mesmo dia:

São João I
(27 de Maio)
Papa e Mártir
(comemoração - paramentos vermelhos)

O Pontificado do Papa João I (523-526) coincide com a época das devastações de Teodorico na Itália. Perseguido por este rei ariano, morreu na prisão, em Ravena, a 18 de Maio de 526. 27 de Maio é o que dia em que o seu corpo foi levado para Roma







(continuação, dia 28)

O Santo do Dia - São Filipe Néri (26 de Maio)

(ver anterior, dia 25)

São Filipe Néri
(26 de Maio)
Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


São Filipe Néri. nascido em Florença em 1515, viveu sempre em Roma, onde foi das pessoas mais influentes do se tempo. Tinha um carácter original, alegre, mas sua alma ardente ardia em amor ilimitado a Deus; À gente de todas as espécies, que abordava e convertia, dirigia e aconselhava com segurança excepcional. Depois de ter vivido como peregrino ou eremita das ruas durante quinze anos, foi ordenado sacerdote aos 36 anos e agrupou à sua volta uns vinte padres que formaram a "Congregação dos Padres Seculares do Oratório". Mas a vida de S. Filipe continuou a ser sempre a mesma, original e radiante de santidade. Morreu em 1595. Os textos da Missa sublinham o ardente amor a Deus que o animava.

(continuação, dia 27)

O Santo do Dia - São Gregório VII (25 de Maio)

(ver anterior, dia 20)

São Gregório VII
(25 de Maio)
Papa e Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


No século XI a Igreja, submetida aos senhores leigos, sofria de um rebaixamento no nível moral do clero. Mas breve se organizou uma reforma a que o monge cluniacense Hildebrando veio por sua vez a ser Papa em 1073, como nome de Gregório VII. Travou luta contra a investidura leiga, fonte dos males que a Igreja sofria. Sua energética atitude valeu-lhe a inimizade do Imperador Henrique IV. Uma intervenção armada de Henrique obrigou-o a deixar Roma. Morreu em Salerno aos 25 de Maio de 1085, aparentemente vencido, mas os princípios pelos quais havia sofrido não tardaram a ser universalmente aceites.




No mesmo dia:

Santo Urbano
(25 de Maio)
Papa e Mártir
(comemoração  paramentos vermelhos)

Os anos Pontificado de Sto. Urbano I (222-230) foram anos de tréguas no meio das perseguições do século III; mas foram também desolados pelo cisma de Hipólito, que a Igreja Romana sofreu durante quase vinte anos. 





(continuação, dia 26)

O Santo do Dia - S. Bernardo de Sena (20 de Maio)

(ver anterior, dia 19)

São Bernardo de Sena
(20 de Maio)
Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)


S. Bernardo de Sena, nascido em Massa, na Maremma toscana, entrou aos vinte e dois anos na Ordem dos Franciscanos, de que é uma das glórias. Tornando-se geral da Ordem, renunciou a este cargo para se entregar à pregação. Percorrendo cidades e aldeias pregava o nome de Jesus com tal amor que submetia, e transportava as almas. Faz inumeráveis conversões. Morreu em Aquileia em pleno trabalho apostólico a 20 de Maio de 1444 e foi canonizado seis anos mais tarde.

(continuação, dia 21)

O Santo do Dia - São Pedro Celestino (19 de Maio)

(ver anterior, dia 18)

São Pedro Celestino
(19 de Maio)
Papa e Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


S. Pedro Celestino foi Papa alguns meses. Tinha já 70 anos quando vieram arranca-lo à solidão da vida monástica, para o obrigar a aceitar o duro cargo de Chefe da Igreja; a cadeira Apostólica estava vaga há vinte e sete meses; teve de aceitar. Mas alguns meses mais tarde renunciou voluntariamente ao Trono Pontifício. Morreu a 19 de Maio de 1296. Filho de S. Bento, cujas lições de humildade praticou em tão alto grau, S. Pedro Celestino tinha visto afluir ao deserto numerosos discípulos atraídos pela santidade da sua vida. Foi ele quem deu origem ao ramo da Ordem de S. Bento, "os Celestinos", cujas observâncias são semelhantes à dos Cistercienses ; esta ordem desapareceu com a Revolução [anti] francesa.




No mesmo dia:

Santa Pudenciana
(19 de Maio)
Virgem
(comemoração - paramentos brancos)

O culto de Sta. Pudenciana está em relação com a fundação da igreja titular de Pudens, uma das mais antigas de Roma. A "ecclesia Pudentiana" (estação da 3ª terça-feira da Quaresma) está construída no lugar da casa de Pudens, senador romano, que segundo a tradição, hospedou S. Pedro.

(continuação, dia 20)

O Santo do Dia - São Venâncio (18 de Maio)

(ver anterior, dia 17)

São Venâncio
(18 de Maio)
Mártir
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)


S. Venâncio era um bispo dálmata, mártir da perseguição de Décio, cerca de 250. Seu corpo foi levado para Roma por João IV. É o Padroeiro de Camerino, nas Marcas.

(continuação, dia 19)

O Santo do Dia - São Pascoal Baylon (17 de Maio)

(ver anterior, dia 16)

São Pascoal Baylon
(17 de Maio)
Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


S. Pascoal, pobre pastor aragonês, entrou aos vinte e quatro anos para irmão converso na Ordem de Frades Menores descalços, e aí se tornou modelo de austeridade, de obediência e de pobreza absoluta. Meditava tão profundamente nas coisas de Deus, que caía muita vezes em êxtase. Animava-o uma grande devoção à sagrada Eucaristia e passava horas em oração diante o sacrário. Morreu aos 17 de Maio de 1592. Leão III proclamou-o Patrono dos congressos e de todas as obras eucarísticas.


(continuação, dia 18)

O Santo do Dia - Santo Ubaldo (16 de Maio)

(ver anterior, dia 15)

Santo Ubaldo
(16 de Maio)
Bispo e Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


Sto. Ubaldo, Bispo de Gubbio, sua cidade natal, deixou na Itália central a lembrança de um Bispo inteiramente consagrado aos deveres do seu múnus. Levou vida de grande austeridade. A colecta da Missa faz alusão ao seu poder sobre os demónios. Pertencia à Ordem dos Cónegos Regulares de Sto. Agostinho. Morreu a 16 de Maio de 1160.

(continuação, dia 17)

O Santo do Dia - São João Baptista de la Salle (15 de Maio)

(ver anterior, dia 14)

São João Baptista de la Salle
(15 de Maio)
Confessor
(comemoração - paramentos vermelhos)


S. João Baptista de la Salle pertencia a uma nobre família de Reims. Vindo a ser padre e cónego da diocese de Reims, renunciou ao seu canonicato e dedicou-se à educação de crianças pobres. Fundou os "Irmãos das Escolas Cristãs", que se espalharam por todo o mundo; herdeiros do seu espírito, consagraram, como ele, toda a sua vida à formação cristã das crianças e jovens. S. João Baptista de la Salle morreu em Ruão a 7 de Abril de 1719. Foi canonizado por Leão XIII. Pio XII deu-o por Padroeiro a todos os educadores da juventude.

(continuação, dia 16)

O Santo do Dia - São Bonifácio de Tarso (14 de Maio)

(ver anterior, dia 13)

São Bonifácio de Tarso
(14 de Maio)
Mártir
(comemoração - paramentos vermelhos)


A liturgia romana festeja hoje um Mártir de Tarso, cujas relíquias foram levadas para Roma em época muito remota. O culto de S. Bonifácio, vindo do Oriente, manteve-se em Roma a 14 de Maio, que parece ser a data da transladação do seu corpo.


(continuação, dia 15)

O Santo do Dia - São Roberto Belarmino (13 de Maio)

(ver anterior, 12 de Maio)


São Roberto Belarmino
(13 de Maio)
Bispo, Confessor e Doutor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)

S. Roberto Belarmino era professor de Teologia e pregador em Lovaina; depois foi encarregado de dar cursos de controvérsia em Roma, onde teve como penitente S. Luís Gonzaga; daí foi enviado a França por Xisto V, em missão diplomática; mais tarde veio a ser Provincial dos Jesuítas, em Nápoles, e finalmente Cardeal. Prestou os mais relevantes serviços aos Papas do seu tempo. COm seus livros de controvérsia deu terríveis golpes no protestantismo. Não menos influência teve o seu catecismo, traduzido em quarenta línguas, que espalhava por toda a parte um conhecimento seguro da Doutrina Cristã. S. Roberto morreu em Roma a 17 de Setembro de 1621; e foi canonizado por Pio XI em 1930 e proclamado Doutor da Igreja em 1931. 

* No dia 13 de Maio celebra-se também a primeira Aparição de Nossa Senhora em Fátima, Portugal. 

(continuação, dia 14)

O Santo do Dia - Beata Joana, Princesa de Portugal (12 de maio)

(ver anterior, dia 11)


Beata Joana, Princesa de Portugal
(12 de Maio)
Princesa de Portugal e Virgem


(festa de 3ª classe - paramentos brancos)

Filha d'El Rei D. Afonso V, nasceu em 1452. Desde menina se lhe dispôs mais o espírito para o serviço de Deus e cuidado dos pobres que para o luxo e grandezas da Côrte. Recolheu-se ao Mosteiro de Odivelas, donde passou, no ano seguinte, para o de Jesus em Aveiro, no qual veio a falecer em 1490. Seu culto foi confirmado por Inocêncio XII.

* D. João II, Rei de Portugal, filho de Afonso V, e irmão da Beata Joana, tinha fama de santidade, e sendo-lhe ainda reconhecido alguns milagres. No tempo do Cardeal-Rei Henrique, o seu corpo foi exumado e encontrado incorrupto (os seus últimos momentos)


(continuação, dia 13)

O Santo do Dia - São Filipe e São Tiago (11 de Maio)

(ver anterior, dia 10)


São Filipe e São Tiago
Apóstolos
(11 de Maio)


(festa de 2ª classe - paramentos vermelhos)


As festas dos Apóstolos, que se distribuem por todo o ano, eram outrora dias santos. A de S. Filipe e de S. Tiago, a 11 de Maio, lembra a transladação solene das suas relíquias para Roma, para a igreja dos Santos Apóstolos, que lhes é dedicada. É lá que se faz a estação em todas as sextas-feiras das Quatro-Têmporas e na Quinta-Feira de Páscoa.

Como Pedro e André, Filipe era de Betsaida, na Galileia. Parece ter gozado de certa intimidade com Jesus; foi a ele que o Senhor se dirigiu no momento da multiplicação dos pães, e foi também por seu intermédio que os gentios se dirigiram a Jesus. Devemos a uma pergunta sua a resposta do Mestre: "Filipe, quem me vê, vê também o Pai" - ir a Cristo é ir a Deus. As mais antigas tradições colocam o ministério de Filipe na Frígia; parece ter morrido em Hierápolis.

S. Tiago, chamado o "o menos" para se distinguir do irmão de João, era de Caná, na Galileia, e primo de Jesus. Foi o primeiro Bispo de Jerusalém. É dele que fala S. Paulo quando diz: "Não vi nenhum Apóstolo a não ser Tiago, irmão do Senhor." Por não renegar a Cristo foi precipitado do cimo do terraço do Templo e acabaram-no depois às pauladas. Os nomes de S. Filipe e S. Tiago vêm no Cânon da Missa. 

(continuação, dia 12)

O Santo do Dia - Santo Antonino (10 de Maio)

(ver anterior, dia 9)


Santo Antonino
Bispo e Confessor
(10 de Maio)
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


Sto. Antonino, Bispo de Florença, era dominicano. No seu múnus pastoral deu mostras de uma caridade sem limites, que fez o seu título de glória. Era tão prudente que lhe chamaram "Antonino dos conselhos". Morreu a 2 de Maio de 1459.








No mesmo dia:

São Gordiano e Santo Epímaco
Mártires
(comemoração - paramentos vermelhos)

S. Gordiano e Sto. Epícamaco são dois mártires cujos túmulos, muito antigos, foram encontrados na via Latina, em Roma.






(continuação, dia 10)

O Santo do Dia - São Gregório Nazianzeno (9 de Maio)

(ver anterior, dia 7)


São Gregório Nazianzeno
Bispo, Confessor e Doutor
(9 de Maio)
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


S. Gregório nasceu em Capadócia. Fez estudos aprofundados em Atenas ao mesmo tempo que S. Basílio, com o qual esteve sempre unido por laços de santa amizade: irmãos de estudo, foram-no também na vida monástica e no episcopado. S. Gregório, Bispo de Nazianzo, foi-o depois de Constantinopla, ocupadando a Sé da cidade imperial numa época muito perturbada. Resignou ao seu múnus para bem da paz. Depois voltou a Nazianzo, onde se entregou inteiramente à contemplação e a escrever obras teológicas. Exprimiu tão sabiamente a teologia das três pessoas divinas, que os Gregos lhe chamam "o teólogo". Morreu à volta de 389. É um dos Doutores da Igreja. 

(continuação, dia 10)

6 de MAIO DE 1747 - ROMA


A 6 de Maio de 1747 a Capela de S. João Baptista foi armada em Roma para que o Papa Bento XIV a sagrasse e nela rezasse a primeira Missa. Posteriormente, a capela foi desmontada e embalada, para fazer a viagem até Lisboa para ser definitivamente montada na Igreja de S. Roque (Lisboa).

O Santo do Dia - Santo Estanislau (7 de Maio)

(ver anterior, dia 5)


Santo Estanislau
Bispo e Mártir
(7 de Maio)
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)


Sto. Estanislau, Bispo de Cracóvia de 1072 a 1079, foi assassinado por ordem de Boleslau II, Rei da Polónia a 8 de Maio de 1079. Desconhecem-se os motivos do seu martírio. Foi canonizado pelo Papa Inocêncio IV a 17 de Dezembro de 1253.. Sto. Estanislau é um dos Padroeiros da Polónia. 

(continuação, dia 9)

O Santo do Dia - São Pio V (5 de Maio)

(ver anterior, dia 4)

São Pio V
Papa e Confessor
(5 de Maio)
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


Tendo nascido em 1504, S. Pio V entrou para a Ordem dos Pregadores aos 14 anos; tinha 62 anos quando foi eleito Papa. Embora breve, o seu Pontificado foi um dos mais fecundos do século XVI. Replicou o protestantismo, que tinha proclamado a reforma, com a aplicação dos decretos do Concílio de Trento sobre a reforma da Igreja; teve grande influência no regresso do clero à disciplina eclesiástica. Conseguiu reunir as forças cristãs contra o Islão, que ameaçava o Ocidente; e, pelas orações públicas feitas, a seu pedido em toda a parte, obteve a vitória decisiva de Lepanto, em 1571. Morreu no ano seguinte no dia 1 de Maio de 1572. Deve-se também a S. Pio V a reforma dos livros litúrgicos.


(continuação, dia 7)

O Santo do Dia - Santa Mónica (4 de Maio)

(ver anterior, dia 3)

Santa Mónica
Viúva
(4 de Maio)
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


Atribuindo às lágrimas e orações de Sta. Mónica a conversão de seu filho (colecta) e aplicando-lhe o Evangelho da viúva de Naim, a Igreja lembra-nos tudo o que Sto. Agostinho deve à sua mãe. Sta. Mónica parece ter nascido em Tagaste, na África, em 332; morreu em Óstia em 387. O dia 4 de Maio é o aniversário da transferência de uma parte das suas relíquias para o Mosteiro de Arrouaise, França.

(continuação, dia 5)

O Santo do Dia - São Alexandre (3 de Maio)

(ver anterior, dia 2)



Santo Alexandre
Papa e Mártir
(3 de Maio)

Santo Evêncio e São Teodulo
Mártires

São Juvenal 
Bispo e Confessor
(comemoração - paramentos vermelhos)



O martirológico romano faz hoje comemoração de um grupo de mártires que tinham seus túmulos na Via Nomentana, e também de S. Juvenal, Bispo de Narni, falecido no século IV.


(continuação, dia 4)

O Santo do Dia - Santo Atanásio (2 de Maio)

(ver anterior, dia 1)

Santo Atanásio
Bispo, Confessor e Doutor
(2 de Maio)
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


Sto. Atanásio, Bispo de Alexandria, grande defensor da Fé Ortodoxa, combateu toda a vida à heresia ariana. Negando a Divindade do Verbo , os arianos consideravam Cristo um simples homem, apenas mais elevado pela graça do que os outros. Sto. Atanásio participou no Concílio de Niceia em 325 e manteve-se até ao fim defensor da Fé definida pelo Concílio. A Igreja venera nele um dos seus maiores doutores. A epístola e o evangelho da Missa evocam bem as perseguições que teve de suportar para manter a verdadeira doutrina sobre a pessoa de Cristo: esteve cinco vezes no exílio, afastado da sua igreja. Morreu em Alexandria em 373, depois de um logo exílio de 46 anos.


(continuação, dia 3)

O Santo do Dia - São José Operário (1 de Maio)

ver anterior, dia 30)

São José Operário
(1 de Maio)


(festa de 1ª classe - paramentos brancos)

A Igreja baptizava outrora as festas pagãs, usando com soberana liberdade das datas e cerimónias para lhes dar um conteúdo cristão.

Foi inspirado nesta tradição que a Igreja colocou a festa civil do trabalho, no primeiro de Maio, ob o poderosos patrocínio de S. José, o humilde artífice que Deus escolheu para velar sobre a infância do Verbo Encarnado. Quem, melhor do que ele, com o trabalho quotidiano, deu graças a Deus Pai pelo Senhor Jesus (epístola), seu aprendiz dócil e obediente, Aquele a quem chamavam "filho do carpinteiro" (evangelho)?
Possa S. José cobrir com sua vigilante protecção o mundo do trabalho de que partilhou a austera sorte. Possa ele guiar e sustentar os esforços deste mundo do trabalho para fazer que reinem sobre o mundo a justiça e a caridade, sob a lei do amor a Cristo. 

(continuação, dia 2)

O Santo do Dia - Santa Catarina de Sena (30 de Abril)

(ver anterior, dia 29)

Santa Catarina de Sena
Virgem
(30 de Abril)
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)


Catarina Benicasa nasceu em Sena em data desconhecida. Foi favorecida com visões desde os sete anos. Vindo a ser terciária na Ordem de S. Domingos, exerceu grande influência com sua vida de oração, mortificações extraordinárias e a irradiação dos seus escritos espirituais. Pode-se considerar uma das maiores figuras do século XIV por causa dos seus apelos incessantes à paz civil e para a reforma da Igreja. Esgotada pelos trabalhos e mortificações , morreu em Roma no dia 29 de Abril de 1380. Por carta apostólica de 18 de Junho de 1939 o Papa Pio XII declarou S. Francisco de Assis e Sta. Catarina de Sena primeiros padroeiros de toda a Itália.

(continuação, dia 1 de Maio)

O Santo do Dia - São Pedro de Verona (29 de Abril)

(ver anterior, dia 28)



São Pedro de Verona
Mártir
(29 de Abril)
(festa de 3ª classe - paramentos vermelhos)


Tendo nascido em Verona, de pais maniqueus, S. Pedro veio a converter-se.  Entrou na Ordem dos Dominicanos com o ardente desejo de pregar a Fé Cristã e de dar sua vida por ela, e foi ouvido: assassinaram-no em plena actividade apostólica, na estrada de Como a Milão, aos 6 de Abril de 1252.

(continuação, dia 30)

O Santo do Dia - São Paulo da Cruz (28 de Abril)

(ver anterior, dia 25)


São Paulo da Cruz
(28 de Abril)
Confessor
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)

Nascido na Itália, perto de Génova, em 1694, S. Paulo da Cruz, teve desde tenra idade um ardente amor pela Paixão de Cristo. Viveu primeiro algum tempo como eremita; depois fundou em Roma a ordem dos Passionistas, que se dedicavam à pregação dos mistérios da Cruz. A sua vida foi inteiramente marcada pela mortificação e pelo sofrimento.
S. Paulo da Cruz morreu em Roma aos 18 de Outubro de 1775.


(continuação, dia 29)

O Santo do Dia - São Pedro Canísio (27 de Abril)

(ver anterior, dia 26)



São Pedro Canízio
Confessor e Doutor
(27 de Abril)
(festa de 3ª classe - paramentos brancos)


S. Pedro Canísio, natural de Nimega, pertencia à Companhia de Jesus. Partilha com S. Bonifácio o título de Apóstolo da Alemanha. Pelas suas pregações, seus livros de controvérsias e de piedade, pela fundação de vários colégios, pelas missões de que quatro Papas o encarregaram junto dos Príncipes e dos Bispo alemães, S. Pedro lutou eficazmente contra a extensão do protestantismo. Foi em grande parte graças a ela que a Renânia e da Áustria permaneceram fiéis à Santa Sé. Assistiu como teólogo ao Concílio de Trento, e redigiu o primeiro catecismo, em conformidade com as prescrições do Concílio.
Morreu em Friburgo, na Suiça, no dia 21 de Dezembro de 1957. Foi canonizado e proclamado Doutor da Igreja pela Papa Pio XI

(continuação, dia 28)